Poluição na Baía de Guanabara

Em 2014, o Governo do Rio de Janeiro e a Companhia Estadual de Água e Esgoto (Cedae) firmaram um compromisso na justiça para entregar obras referente a despoluição da Baía de Guanabara, já vive mais de duas décadas de promessas para a limpeza de todo o lixo e esgoto encontrado por lá.

O Ministério Público ouviu o Governo sobre a falta de investimento e a pausa nas obras, para evitar novos adiamentos o órgão deseja que o Estado entregue alguma garantia para a finalização do processo.

No começo da década de 1990, o Programa de Despoluição da Baía de Guanabara pretendia limpar as águas com a construção de estações de tratamento de esgoto. No entanto, o projeto não surtiu resultados. Além da grande quantidade de esgoto, também são encontrados restos de madeiras e plásticos, lixo hospitalar, peixes mortos e até colchões e sofás e, até antigos estaleiros apodrecem ás margens da baía.

Isso é muito perigoso, uma vez que, dentro desses barcos antigos, há muita graxa, óleo e produtos químicos que escorrem para a baía. Caso haja um grande vazamento, o espelho d’água ficará ainda mais vulnerável.

O Governo do Rio de Janeiro informou que as metas não foram alcançadas por conta de problemas no cronograma do projeto, complexidade em licitações, dificuldades para conseguir licenças, problemas de segurança pública e o cancelamento de mais da metade do valor financiamento do programa.

× Fale com a Inovar