Coprocessamento de resíduos pode fazer parte do programa Lixão Zero de Minas Gerais

Coprocessamento de resíduos

Em maio deste ano foi lançado, pelo Ministério do Meio Ambiente, o edital para a seleção de projetos para as obras do programa Lixão Zero. O acordo firmado entre a Vale e o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) estabelece que o pagamento pelas infrações relativas ao acidente de Brumadinho, seja convertido diretamente em ações ambientais no estado. 

Sendo assim, os projetos que forem selecionados para fazer parte do programa contarão com um investimento de R$ 100 milhões. O intuito é otimizar as estruturas das usinas de triagem mecanizadas de resíduos provenientes da coleta indiferenciada e da coleta seletiva. 

Leia também: A Destinação de Resíduos Sólidos Urbanos (RSU) já é realidade em 449 municípios mineiros; veja

Projeto de coprocessamento de resíduos 

Coprocessamento de resíduos

Em julho, a Associação Brasileira de Cimento Portland promoveu o webinar “Destinação Sustentável para os Resíduos Sólidos Urbanos – Tecnologia de Coprocessamento” que teve como convidados dirigentes, participantes e painelistas de consórcios mineiros. 

O diretor de Relações Institucionais da ABCP, Mário William Ésper, conduziu o evento e destacou que, 25% de todo cimento utilizado no Brasil provém de Minas Gerais, representando um grande parque consumidor de Combustível Derivado de Resíduo. E enfatizou: “A indústria utiliza o coque de petróleo para produzir o cimento. Diante das várias ações da indústria para mitigar a emissão de gases de efeito estufa, uma das medidas é utilizar combustíveis alternativos. O objetivo da ABCP é formar uma parceria com os consórcios presentes para enfrentar esse desafio”. 

Já o diretor de Coprocessamento na ABCP, Daniel Mattos, enfatizou que o projeto está em linha com o programa Lixão Zero e o edital, pois contribuiria para o gerenciamento de resíduos sólidos urbanos na região. 

Por meio do coprocessamento, os resíduos industriais, agrícolas e sólidos urbanos, podem ser inseridos novamente na cadeia produtiva, substituindo assim o uso de combustíveis fósseis. 

Leia também: Conheça a Lei 18.031 que dispõe sobre a Política Estadual de Resíduos Sólidos

A Inovar Ambiental

A Inovar Ambiental acredita que o correto gerenciamento de resíduos não deve levar em conta apenas os acidentes decorrentes dos efeitos imediatos. Riscos com efeitos de longo prazo também devem ser igualmente considerados nesse trabalho, assim como uma coleta periódica e a observância do grau de toxicidade de cada tipo de substância.

Localizada na cidade de Santa Luzia em Minas Gerais, a Inovar Ambiental tem a sustentabilidade como seu norte. Destinar um resíduo de forma correta é, acima de tudo, um ato de amor ao meio ambiente, à saúde pública e às próximas gerações. Confira mais sobre a Inovar Ambiental visitando nosso  site, Facebook e Instagram.

× Fale com a Inovar